26.2.11

Cresce matança de botos no Amazonas

Local: Manaus - AM
Fonte: INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Link: http://www.inpa.gov.br



O motivo da caça aos botos amazônicos está na pesca de um peixe chamado piracatinga.  Segundo pesquisadores, em 10 anos, a população de botos vermelhos diminuiu 10%
Aline Cardoso
Moradores de comunidades em torno de Tefé, interior do Amazonas, têm exercido uma atividade que agride o meio ambiente, causando impacto decisivo no futuro de um dos animais aquáticos que fazem parte da fauna amazônica: o boto-vermelho (Inia geoffrensis).
De acordo com Nívia do Carmo, pesquisadora do Projeto Boto do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCT) e presidente da Associação Amigos do Peixe-Boi (Ampa), pesquisas de monitoramento com esses mamíferos aquáticos apontam um decréscimo na população de botos-vermelhos de 10% na última década nessa região.
Os estudos são realizados, desde 1993, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RDSM) (distante de Manaus cerca de 700km), sob a coordenação da pesquisadora do Inpa, Vera da Silva, e do membro do Conselho de Pesquisas do Ambiente Natural do Reino Unido (NERC), Anthony Martin.
A causa dessa diminuição pode ser a captura predatória de botos-vermelhos para a pesca da piracatinga (Calophysus macropterus), espécie de peixe necrófago - que come carniça de animais mortos-, de porte médio, podendo medir 45 cm em comprimento total, muito abundante na região amazônica e consumido em larga escala pelos colombianos, também conhecida como mota ou simí, na Colômbia.
Segundo a pesquisadora, uma viagem foi realizada, em outubro e novembro de 2010, às comunidades em torno de Tefé por pesquisadores do Inpa.  Durante a excursão, constataram que a caça dos botos é constante e tratada de forma natural por eles, embora os comunitários tenham consciência de que a pesca ou caça de animais silvestres é crime ambiental.
“O peixe é mais facilmente capturado utilizando carne de jacaré e de boto, esta última tem um odor mais apelativo a essa espécie de peixe.  Geralmente utiliza-se como isca um boto-vermelho adulto, que pode pesar entre 150 e 200kg.  Com uma isca desse porte é possível pescar aproximadamente uma tonelada de piracatinga”, afirmou a pesquisadora.
A Colômbia é um grande apreciador de peixes Siluriformes (peixes lisos ou de couro) da Amazônia brasileira e a pesca da piracatinga se torna uma atividade lucrativa para os ribeirinhos que habitam essas localidades.
O Comércio A pesquisadora disse ainda que o filé de piracatinga é comercializado na Colômbia a preços bem baixos.  Tem-se notícias, segundo ela, que está sendo vendido no Amazonas em frigoríficos, já em filetes, com o nome de “douradinha”.  O comércio do peixe durante o período da cheia é negociado ao valor de R$ 1,50 o quilo.  Durante o período da vazante, época em que é mais fácil a captura, o preço do quilo diminui para R$ 0,50.
A pesca da piracatinga não é a causa do predatorismo do boto vermelho, pois essa espécie pode ser capturada com vísceras de outros animais, por exemplo; o problema é a caça.  “O custo-benefício ao usar o boto como isca é mais vantajoso para eles e o tempo de trabalho é reduzido”, disse Carmo.
Fiscalização De acordo com Jéferson Lobato, do departamento de fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), um estudo está sendo feito para avaliar se a captura de botos e jacarés está alterando de alguma forma o biossistema da localidade em questão.
Já o Batalhão Ambiental informou que tem conhecimento do caso e está traçando estratégias para combater a atividade.
Do Site: www.amazonia.org.br

 Crédito da imagem: Luciana Christante

Nenhum comentário:

Postar um comentário