19.9.11

Diversidade da cultura brasileira será mostrada aos estrangeiros


Renata Giraldi

Repórter da Agência Brasil

Brasília – A cultura brasileira vai ser mostrada na Europa de forma eclética e diversificada no 23º Europalia - festival de artes da Europa. A escolha dos espetáculos, filmes e das exposições considerou a qualidade dos trabalhos e a história dos artistas.  O diretor de Relações Internacionais do Ministério da Cultura, Marcelo Dantas, disse à Agência Brasil que o esforço dos curadores – há um para cada área artística – foi “fugir do óbvio”.
“A nossa preocupação foi escolher trabalhos que mostrem a diversidade da cultura brasileira. Vamos mostrar o Brasil e sua diversidade cultural e também a representatividade regional. Tudo com muita qualidade e história”, disse Dantas.
Do total de 130 shows, 60 apresentações de dança e 40 de teatro, 20 exposições de artes visuais e 80 conferências literárias, há amostras de diferentes estilos. Na música, os sambistas da chamada Velha Guarda da Portela mostrarão o samba original e tradicional feito no Rio de Janeiro. Os instrumentistas Hermeto Pascoal e Egberto Gismonti apresentarão a originalidade da busca por sons em todos os objetos, além dos instrumentos convencionais. O rapper Marcelo D2 vai mostrar a mistura entre black music, rock e rap.
A banda Pedro Luis e a Parede, que mescla rock, samba, rap e funk, apresentará sua produção. O grupo Corpo, de Belo Horizonte, reconhecido pela originalidade do ballet contemporâneo, vai mostrar suas últimas produções. As companhias Giramundo, que faz teatro de bonecos, e a Intrépida Trupe, que há 21 anos mistura circo, teatro e dança nos seus espetáculos, também estará presente.
O poeta e ensaísta Augusto de Campos e os escritores João Ubaldo Ribeiro e Renato Carvalho estão entre os brasileiros que participarão das conferências no Europalia. Nas artes visuais, a escolha dos trabalhos remete desde o período colonial do Brasil até os dias de hoje passando por obras da Semana de Arte Moderna de 1922.
No cinema, a ideia é apresentar um panorama geral do que se produz no Brasil. Por isso há curtas, médias e longas metragens, assim como filmes destinados às crianças, além do público adulto. Dantas disse que foi um “desafio imenso” reunir todos os trabalhos, das distintas áreas, e que a falta de recursos por pouco não impediu a realização do evento.
“Houve um momento que tudo ficou muito difícil. Mas as empresas vieram e se ofereceram para ajudar. A Vale repassou R$ 3 milhões, o Banco do Brasil apoiou os projetos com R$ 1 milhão, assim como os Correios, o BNDES [Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social], a empresa de telefonia Oi, o Banco Safra, entre tantos outras empresas. Se não fosse o apoio de várias companhias, acho que ficaria muito difícil ter festival”, disse Dantas.


Edição: Lílian Beraldo
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br



Crédito da imagem: ax2groin
"imagem meramente ilustrativa"

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário