28.6.12

Cursos de turismo e serviços para a Copa de 2014

Inscrições para cursos de turismo e serviços para a Copa


Carolina Sarres
Repórter da Agência Brasil 

Brasília – Serão abertas na próxima sexta-feira (29) as inscrições para 40 mil vagas em 32 cursos presenciais e gratuitos de aperfeiçoamento e capacitação nas áreas de turismo e serviços para a Copa de 2014. Os cursos, inclusive para as línguas (inglês, espanhol e libras), estão disponíveis nas 12 cidades-sede da Copa e em 117 municípios. Os interessados devem ter mais de 18 anos.

Os cursos terão quatro meses de duração. Os alunos terão auxílio estudantil, como alimentação e transporte. Terão prioridade nessa primeira seleção os interessados pelos cursos nas cidades-sede da Copa das Confederações em 2013 (Brasília, Fortaleza, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Salvador).

No total, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (Pronatec) deverá oferecer 240 mil vagas, 40 mil por semestre, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), do Serviço Social do Comércio (Sesc), do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

"Até a Copa, vamos oferecer 240 mil vagas para 30 áreas ligadas ao turismo. São cursos para agentes de viagem, camareira, garçom, recepcionista de eventos, além de várias outras profissões que têm relação com essa área do turismo", disse a presidenta Dilma Rousseff no programa de rádio Café com a Presidenta, na última segunda-feira (25).

Os cursos oferecidos são: agente de informações turísticas, agente de viagens, atendente de lanchonete, auxiliar em hospedagem, auxiliar de confeitaria, auxiliar de cozinha, auxiliar de garçom, auxiliar de agência de viagens, bartender, camareira, chapista, churrasqueiro, guia de turismo, copeiro, cozinheiro, masseiro, mensageiro, mestre de cerimônias, monitor ambiental, monitor de recreação, organizador de eventos, padeiro, confeiteiro, pizzaiolo, recepcionista, salgadeiro, sommelier e sushiman.

As empresas interessadas em se cadastrar no programa devem estar inscritas no Cadastur, banco de dados do Ministério do Turismo. A participação facilita o acesso a crédito em bancos oficiais, classificação dos meios de hospedagem, e informações restritas aos não cadastrados.
Mais informações estão disponíveis pelo número 08006068484 ou na página do Pronatec na internet.

Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br
Edição: Rivadavia Severo

Brasil Turismo - Tiradentes MG

Tiradentes recebe 20° Encontro de Motos Clássicas

Leandro Amaral
Tiradentes recebe 20° Encontro de Motos Clássicas
De 27 de junho a 3 de julho, acontece na cidade de Tiradentes, em Minas Gerais, um dos principais encontros de motociclistas do Brasil, também conhecido como Bikefest Tiradentes. Na 20ª edição, o evento espera trazer à cidade mais de 14 mil motociclistas de todo o Brasil. No encontro do ano passado, motociclistas da Argentina, Uruguai, França, Alemanha, Estados Unidos e Portugal também estiveram presentes.

O encontro, que começou há 20 anos com 30 motociclistas apaixonados por Harley-Davidson, tem hoje mais de 42 expositores, movimentando um mercado ávido por novidades. Há desde fabricantes e revendas de motos importadas, expondo suas máquinas em espaços interativos, até serviços de mecânica e troca de pneus. Quem quiser vai poder customizar a moto e ficar por dentro das novas tendências. Há também estandes com roupas de malha, couro e venda de motos usadas e novas.

Uma das novidades do encontro deste ano é o Concurso de Motos Customizadas, que acontece em frente à Igreja São Francisco de Assis. Dois vencedores serão premiados, um escolhido pelo público e, outro, por um júri especializado. No domingo, dia 1, haverá o Enduro Bikefest. Com duração de três horas, os motociclistas vão percorrer trilhas e estradas da região. E, para relaxar, durante o encontro acontece o Festival Moto Jazz com shows de bandas locais.

Os turistas e os motociclistas que quiserem participar do 20° Encontro de Motos Clássicas não vão ter dificuldade em escolher um local para se hospedar. Tiradentes possui pousadas de diferentes estilos e preços. O grupo Tiradentes Mais abriga as pousadas mais charmosas e aconchegantes da cidade, além de restaurantes e lojas. Quem se hospedar nas pousadas, que fazem parte do grupo, vai ganhar uma garrafa de 750 ml de uma cachaça de excelente qualidade, produzida na região, na Fazenda Bela Vista.
Fonte:http://www.jornaldaorla.com.br/

27.6.12

Dia Nacional do Progresso


Dia 27 de junho

Que Progresso?

Progresso é a palavra mágica que impulsionou o homem, em todos os tempos, na busca de seu desenvolvimento pessoal e de seu domínio sobre as forças da natureza. No século da ciência e da técnica é a aspiração de indivíduos e de povos que vêem nele a solução para seus problemas.

Tal anseio é inteiramente justificável, pois Deus colocou na mente e no coração humano possibilidades imensas de aprimoramento, e na natureza, riquezas inesgotáveis que devem ser utilizadas para cumprir a ordem divina de "dominar a terra" (Gn 1,28).


No entanto, é importante que se tenha clareza sobre o que é progresso. A palavra progresso, de origem latina, compõe-se da preposição "pro" (que significa "pra frente") e "gressus" ("passo, movimento"). Progresso verdadeiro só existe quando as mudanças que se fazem colaboram para o aperfeiçoamento da pessoa humana ou da sociedade em que o homem vive.

Erroneamente, com freqüência, se chama de progresso qualquer mudança, qualquer movimento, mesmo que se trate de um verdadeiro "retrocesso". Isso pode ocorrer em todos os aspectos da vida e da atividade humana, tanto na ciência, como nas artes, no âmbito pessoal, como na convivência social.

Além disso, é preciso ter em conta que um determinado aperfeiçoamento em um campo pode significar um retrocesso em outro. O verdadeiro progresso só existe quando promove o desenvolvimento integral da personalidade e não prejudica a convivência fraterna entre todos os membros da sociedade.

Pode-se considerar progresso a sofisticação na fabricação de armas para matar com mais eficiência e segurança? A criatividade com que se propagam novas maneiras de enganar e prejudicar os demais? Os métodos sofisticados com que se reduzem os homens a meros animais, sem nenhum crédito moral?

Disso se deduz que o progresso - como é comumente compreendido - é necessariamente ambíguo: tanto pode ser um avanço como um retrocesso. A razão disso nos é apresentada no Documento do Vaticano II Gaudium et Spes com as seguintes palavras: "A Sagrada Escritura é confirmada pela experiência dos séculos, ensina à família humana que o progresso, altamente proveitoso para o homem, encerra também uma grande tentação: uma vez perturbada a hierarquia dos valores e misturado o mal com o bem, os indivíduos e as coletividades só prestam atenção ao interesse próprio e esquecem o dos outros. Isto faz com que o mundo deixe de ser o lugar da verdadeira fraternidade, e que o crescente poder da humanidade ameace destruir o próprio gênero humano" (GS nº 37).

Quando alguém tem a coragem de contestar certos tipos de "progresso" que deturpam a pessoa humana e prejudicam a sociedade, há os que tacham essa atitude de "tabu" e "conservadorismo medieval". Pretendem, com a defesa de um progresso escravizado ao egoísmo, o direito de cada um fazer o que lhe apraz, sem atender a nenhum código de moral. Foi esse falso tipo de progresso que fez a derrocada do império romano e que, através de loucos como Hitler, promoveu o holocausto e quase destruiu a humanidade.

No momento em que os homens não mais aspirassem ao progresso, deixariam a sua missão de dominar a terra. Mas Deus nos livre de um falso progresso que põe em perigo a própria existência do homem como imagem de Deus.

Progresso verdadeiro, sim! Falso progresso, nunca!


Fonte:http://www.jornalvivabrasil.com.br

Temperatura dos Oceanos

Vídeo mostra animação fascinante sobre a constante mudança de temperatura dos oceanos

Uma animação fascinante realizada por cientistas mostra como a temperatura do mar varia em todo o mundo.
Criado pelo Laboratório Geofísico de Dinâmica de Fluidos da Universidade de Princeton, EUA, a animação mostra a temperatura que varia constantemente em todos os oceanos do planeta Terra.
Como o vídeo mostra grande mudança de cor, evidenciando as oscilações de temperatura, temos a impressão de que o planeta está com “batimentos”, assim como um coração.
As cores mais fortes e escuras simbolizam as temperaturas mais altas, já as mais claras e suaves são amenas. Confira o vídeo:


Por que os golfinhos conseguem se reconhecer no espelho? A resposta está nos genes


Osmairo Valverde da redação de Brasília / http://jornalciencia.com

Os golfinhos já nascem para serem espertos – e partilham muito de nossos genes da inteligência.

Um novo estudo sobre o genoma do golfinho demonstrou que esses mamíferos aquáticos compartilham diversos genes com nós, seres humanos.

A descoberta pode ser a chave para entender por que os golfinhos têm cérebros tão grandes. Eles podem se reconhecer no espelho e entender as ideias de zero, ou seja, ponto de partida, algo que era restrito apenas aos primatas como chimpanzés e humanos.
O cérebro do golfinho possui diferenças comparado com o dos primatas, especialmente em uma região chamada neocórtex, que é o local central para as funções mais elevadas, como o raciocínio e pensamento consciente.

Estima-se que há 95 milhões de anos os golfinhos possuíam o mesmo ancestral do ser humano, algo muito remoto e distante, quando comparado com outros animais.
No entanto, quando se trata de inteligência, comportamento social e comunicação, alguns pesquisadores dizem que eles são os animais que mais se aproximam dos humanos, além de macacos.

Nós estamos interessados no cérebro do golfinho em um ponto de vista molecular”, declarou Michael McGowen da Wayne State University School of Medicine, EUA, em declaração ao site LiveScience.

“Nós decidimos olhar para os genes do genoma de golfinhos para ver se há semelhanças entre o DNA que foi alterado na linhagem dos golfinhos e na linhagem dos primatas”.

Os pesquisadores descobriram 228 sequências de genes de golfinhos que tinham mudado sua relação gênica em comparação com vacas, cães, cavalos e seres humanos.

A pesquisa revelou que 1 em cada 10 genes afeta o sistema nervoso – e pode ser a chave para entender o poder mental dessas criaturas. “Era algo que estávamos esperando encontrar, uma vez que estudos têm mostrado que eles têm um cérebro grande e alta capacidade cognitiva”, diz McGowen.

Eles entendem conceitos como zero e conceitos abstratos. Eles fazem tudo que os chimpanzés e bonobos fazem”, disse Lori Marino, neurocientista da Emory University que se especializou em golfinhos, de acordo com o DailyMail.

Quando eles se reconhecem no espelho, mostram que possuem senso de identidade social. Eles não só sabe quem são, mas também possuem senso de qual é seu grupo social e quem são seus integrantes individualmente.

Os golfinhos interagem e compreendem a saúde e os sentimentos dos outros companheiros de grupo, assim como o ser humano.
Fonte:http://jornalciencia.com

25.6.12

Tradições afro-brasileiras encerram programação cultural da Rio+20

 
Por Jacqueline Freitas
João CarlosJoão Carlos
O presidente da FCP, Eloi Ferreira de Araujo, anuncia os homenageados da noite.
Um encontro de jongos e uma homenagem a expoentes da cultura afro-brasileira no Rio de Janeiro marcaram o encerramento da programação cultural da Rio+20 na última sexta-feira (22), no Galpão da Cidadania, na Zona Portuária da cidade.
Em uma série de atividades paralelas ao maior evento das Nações Unidas – que durante nove dias movimentou a Cidade Maravilhosa –, o Ministério da Cultura promoveu encontros, seminários, palestras e mesas redondas cujo objetivo principal foi inserir definitivamente a cultura como o quarto pilar do desenvolvimento sustentável. Nesse contexto, as atividades realizadas pela Fundação Cultural Palmares destacaram-se entre as que reuniram o maior número de participantes.
No último dia da Rio+20, o reconhecimento à importância dos antepassados e das gerações mais velhas, principalmente africanos e afrodescendentes, para a construção da identidade brasileira deu o tom das apresentações culturais no Galpão da Cidadania.
No início da tarde, os grupos de jongo da Serrinha e do Quilombo de São José cantaram e dançaram juntos, com seus tambores atraindo a plateia para a roda. O Afoxé Raízes Africanas e o Jongo do Pinheiral se apresentaram no final da tarde, antecedendo as homenagens a personalidades das tradições culturais afro-brasileiras no Rio de Janeiro.
Guardiões – O presidente da Fundação Cultural Palmares reverenciou e pediu a bênção às ialorixás Mãe Beata de Iemanjá, Mãe Meninazinha de Oxum, Mãe Regina Lúcia de Iemanjá, Mãe Torody de Ogum, Mãe Márcia de Oxum, Mãe Edelzuita de Oxaguiã e Mãe Tânia de Iansã, assim como ao babalorixá Pai Zezito de Oxum e o ogã Luiz Bangbala. Todos foram reconhecidos pelo presidente Eloi Ferreira como autênticos guardiões da cultura negra no Brasil.
Também foram homenageadas a mestra jongueira Fatinha, do Jongo do Pinheiral, e Merced Guimarães, pelo seu importante trabalho de preservação de nossa memória e história à frente do Instituto Pretos Novos – a ponta do iceberg de um verdadeiro sítio arqueológico que ela encontrou casualmente, há cerca de 15 anos, quando iniciava a reforma de sua casa, na Gamboa, que também fica na Zona Portuária carioca.
João CarlosJoão Carlos
Os autênticos guardiões da cultura negra no Brasil
Pequena África – Junto com os bairros Santo Cristo e Saúde, a Gamboa compõe o entreposto conhecido como Valongo, por onde os historiadores estimam a passagem de cerca de 1 milhão de africanos escravizados. Estudos indicam que ali os escravos eram enterrados em covas coletivas, muitos deles vivos, por estarem doentes. Marcada pela história da escravidão, a Zona Portuária do Rio é também conhecida como Pequena África, e abriga ainda a Pedra do Sal, núcleo simbólico do trabalho dos estivadores, negros recém-libertos, e que também faz referência à origem do samba.
Jongo – A dança, também conhecida como caxambu, tem origem na região africana do Congo-Angola, e chegou ao Brasil Colônia com os hoje chamados “negros bantos” (na verdade, a expressão bantu define um tronco linguístico com inúmeras ramificações, compartilhadas entre diferentes povos africanos). Trabalhando como escravos em fazendas, esse contingente de negros e de seus descendentes chegou a significar, em alguns momentos da História, mais da metade da população da região Sudeste do Brasil.
Naqueles tempos, dançar o jongo era um dos raros momentos proporcionados pelos fazendeiros aos escravos. A dança é permeada por forte expressão religiosa, mantendo a presença de símbolos sagrados, e influenciou decisivamente o nascimento do samba no Rio de Janeiro. No início do século 20, era o ritmo mais tocado no alto das primeiras favelas, antes mesmo de o samba nascer e se popularizar.
Jacqueline Freitas/FCPJacqueline Freitas/FCP
Apresentação de jongo.
Cultura e sustentabilidade – Enfatizando que, assim como as comunidades quilombolas, os templos religiosos afro-brasileiros têm importante papel no desenvolvimento sustentável, ao cultuar e, portanto, preservar a natureza, o presidente da Fundação Cultural Palmares afirmou que o desafio da sustentabilidade não se encerra na Rio+20. “Não nos afastaremos nunca de pensar o meio ambiente, e se hoje reverenciamos estas personalidades que aqui estão, é porque são guardiões não só da herança cultural de nossos antepassados, mas de todos que lutam por uma sociedade mais justa e um mundo melhor, preservado e sustentável”, disse Eloi Ferreira.
Fonte:http://www.palmares.gov.br

17.6.12

A Cúpula dos Povos na Rio +20

Povos de Terreiro aprovam propostas à plenária final da Cúpula dos Povos

Em Encontro Mundial, praticantes de religiões de matrizes africanas, da umbanda e povos indígenas discutem relação com a natureza e cobram respeito aos seus cultos

Por Maria Eduarda Carvalho [16.06.2012 12h17]
A Cúpula dos Povos na Rio +20 vai além do debate a respeito do limite dos recursos naturais e das mudanças climáticas. Ao longo dos próximos dias, mais de 30 espaços autogestionados discutem as diferentes relações do homem com o ambiente.

Nesta sexta, 15, foi a vez dos praticantes de religiões de matrizes africanas, da Umbanda e dos povos originários darem início às suas atividades na Cúpula, no Encontro Mundial dos Povos de Terreiro na Rio+20. Eles discutiram problemas, constrangimentos, demandas e propostas relacionadas às práticas das religiões da natureza em áreas protegidas.

O resultado  das discussões e conversas gerou a Carta do Rio, um dos documentos oficiais que serão apresentados na plenária final da Cúpula dos Povos. Confira a carta na íntegra abaixo:

ENCONTRO MUNDIAL DOS POVOS DE TERREIRO NA RIO+20

CARTA DO RIO


As práticas religiosas na natureza têm origem milenar, ocorrendo em inúmeras vertentes culturais, entre as quais estão as religiões dos povos de terreiro, como os de matriz africana e os povos originários. Essas práticas estão voltadas para a reverência às forças da natureza, como as matas, rios, cachoeiras, praias e montanhas, além de estradas, encruzilhadas e trevos. Reconhecendo na natureza suas divindades, esses povos desenvolvem um profundo respeito e comprometimento em relação à sua proteção, concebida como espaço sagrado.

Os Povos Originários sofrem com o não reconhecimento da cultura indígena pela sociedade. Para os índios, a relação do homem com a natureza, como afirma Carlos Tukano, representante dos Povos Originários no SEAC, é de preservação, porque os índios sempre tiveram pelos Deuses das florestas, da água e do ar e de todos os elementos, respeito e reverência: “Nossa história, entretanto, é como um copo quebrado que estamos tentando reconstruir para passar aos nossos filhos e netos. Entre as nossas iniciativas, temos a Aldeia Maracanã, o Centro Cultural Indígena no antigo Museu do Índio, onde praticamos a nossa religiosidade”.

Ocorrem, entretanto, com alta frequência, situações de constrangimento e violência quando os religiosos buscam parques e outras áreas de proteção da natureza, tais como intimidação por parte de diversos atores sociais, impedimento, perseguição, violência física e verbal, falta de segurança e expulsão de áreas naturais públicas. Nos últimos anos, houve uma relativa perda de costume de ir aos espaços naturais públicos para cultuar os orixás, voduns, inquices e encantados, porque a ameaça de violência por parte do Estado e de antagonistas da prática religiosa afro-brasileira levou a isso. Alguns têm utilizado áreas privadas. Todavia, há consenso de que isso não é solução, pois a liberdade religiosa é um direito e não se deve pagar para poder exercê-la.

A esses problemas, identificados também nas oficinas do Núcleo Elos da Diversidade /Programa Ambiente em Ação da Superintendência de Educação Ambiental da Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro, em parceria com a UERJ e os povos de terreiro, entre 2011 e 2012, somam-se outras formas de violência no campo simbólico, como a desqualificação dessas religiões nos meios de comunicação social, proibição ou desqualificação dessas práticas culturais nas escolas e outros espaços, como consta no primeiro boletim de divulgação do Núcleo Elos. Mais de 400 religiosos que participaram dos encontros no Estado do Rio de Janeiro falaram da necessidade de atuar internamente às religiões, em busca de maior união entre os cultos, e reconhecimento de direitos e deveres do cidadão em relação à cultura e uso dos espaços públicos, bem como o enfrentamento do preconceito,intolerância e constrangimento que os religiosos sofrem em suas práticas. Os participantes denunciaram a repressão geral do Estado e a repressão de evangélicos. Os debates sobre os constrangimentos vivenciados destacaram ainda dois aspectos: as reclamações e acusações de vizinhos aos terreiros e os preconceitos que sofrem crianças e jovens que se assumem praticantes da religião. Isso produz discriminação em escolas e de costumes, e problemas na socialização em fase decisiva para a constituição das identidades e grupos de pertencimento por parte de qualquer pessoa.

Foi destacado o impedimento que sofrem de acesso a áreas de cachoeiras, rios e praias que são apropriadas de modo particular, infringindo as leis. A ênfase dos debates girou em torno do direito público a espaços naturais, mas denunciaram que os espaços seguros e limpos estão em áreas privadas cujo acesso é pago. Isso é visto como uma alternativa que não resolve o problema, tanto por ferir direitos constitucionais quanto por privatizar uma prática que deve ser livre para os adeptos dos cultos afro, independente de condição econômica para realizá-la.

Outro ponto mencionado foi a constatação de que a população atribui tudo o que acontece de destruição e sujeira nesses espaços e na rua aos cultos afro, o que é uma clara manifestação de preconceito, apesar de reconhecerem que há parcela dos praticantes que estão mal orientados em relação a cuidados no uso de espaços públicos e à conservação da natureza.Os religiosos discutiram as causas dessa situação, reconhecendo que o preconceito ocorre por desconhecimento dos fundamentos e valores mais profundos das religiões de matriz africana, e uma associação indevida com o “demônio” de outras religiões.

Além disso, reconheceram que uma parcela de responsabilidade da imagem negativa em torno dessas práticas religiosas decorre de usos inadequados de materiais e desconhecimento de práticas de conservação do ambiente, além da negligência e omissão por parte do poder público, que não institui políticas públicas de coletas regulares de resíduo em áreas de uso tradicional.

Esses constrangimentos frequentes tornaram-se “naturais” com base em preconceitos e desigualdades sociais. Na visão dos participantes, a naturalização da desigualdade e do preconceito deve ser enfrentada e superada por meio da mobilização dos religiosos, adoção de práticas sustentáveis e criação de políticas públicas que assegurem a igualdade religiosa e o respeito à diversidade cultural.
Encaminhamentos

É fundamental que o Poder Público atenda as demandas da sociedade civil e dos povos de terreiro, garantindo o direito do cidadão à realização do culto ao sagrado na natureza, à proteção contra violência física e agressão verbal e ao acesso a espaços naturais limpos, sinalizados e acessíveis. É fundamental que as políticas públicas de educação, cultura e comunicação social contemplem as culturas indígenas e as culturas de matriz africana e umbanda, garantindo o acesso desses grupos sociais aos meios de comunicação social, sua presença e seus conteúdos nas instituições de ensino, fóruns de decisão e controle social. Que haja ética no reconhecimento da religiosidade dessas culturas.

O enfrentamento deve ser feito pela reversão desse quadro, aumentando a mobilização e articulação do povo de terreiro por meio da comunicação, o intercâmbio e ações educativas. Outro aspecto é a necessidade de cada pessoa superar o medo e se assumir como religioso e defender seus direitos constitucionais, denunciando a intolerância e participando do processo político e educativo de superação das desigualdades sociais, preconceitos e intolerância. Essa constatação só fortalece a necessidade de se constituir Espaços Sagrados de uso público e reforçar a luta para que as práticas religiosas sejam respeitadas também em outros espaços e vias públicas, como praias, ruas, praças e cemitérios.

É recomendada a criação de redes e formas de comunicação interna, a realização de oficinas ensinando usos de materiais ecologicamente adequados e a produção de materiais didáticos para o povo de terreiro. É necessária a união das religiões para que consigam dialogar em condições de igualdade não só com o poder público, mas também com os outros setores da sociedade, para garantir que o projeto se consolide enquanto política pública e se fazer respeitar por aqueles que manifestam intolerância.

Há a necessidade de que cada praticante exerça os seus direitos sem medo, busque apoio legal na garantia de acesso a espaços naturais e da livre manifestação religiosa, e que as companhias de limpeza urbana apoiem o uso de encruzilhadas e de áreas naturais.
A mobilização dos povos de terreiro deve estar vinculada também à construção das políticas públicas para a cultura, educação e meio ambiente. É necessário ampliar o acesso a cartilhas e materiais educativos existentes (Decálogo das Oferendas, Elos de Axé, Oku Abó) e produzir novos materiais; estimular o acesso a mudas e o cultivo de ervas nas casas religiosas, objetivando a preservação do conhecimento da tradição sobre o uso das folhas nos rituais, como também o respeito às práticas da coleta em áreas protegidas; fomentar a função dos consagrados como sacerdotes/sacerdotisas das folhas nas comunidades de terreiros.

Há necessidade de se conhecer os direitos e deveres do cidadão em relação à educação, cultura, religião e meio ambiente, divulgando-os e fazendo encontros para explicá-los e capacitar os religiosos a utilizar os canais e instrumentos legais de participação do cidadão na defesa de seus direitos. Muitos enfatizaram que a criação de um espaço religioso não é nenhum presente e sim um direito, alertando, porém, que isso não pode significar a restrição a poucas áreas. A luta é por tais espaços e também por acesso a outras áreas públicas (encruzilhadas, cemitérios, etc.).

Sugeriu-se ainda que esse trabalho no Rio de Janeiro fosse expandido nacionalmente, uma vez que o quadro de repressão e intolerância no estado é similar em todo o país e isso deve ser enfrentado e superado.

Rio de Janeiro, 15 de junho de 2012.
Fonte:http://www.revistaforum.com.br

16.6.12

Rio+20: Volkswagen apresenta protótipo de Kombi elétrica


A Kombi da Volkswagen, como nenhum outro veículo, representa o espírito de liberdade. l Imagem: Divulgação/VW
A Volkswagen apresenta o protótipo e-Bulli na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorre até o dia 22 de junho. O modelo reinterpreta a forma original compacta da Kombi, mais conhecida pelos alemães como Bulli, remetendo-a ao futuro na forma de um veículo conceitual. O e-Bulli é movido por um motor elétrico e é equipado com seis assentos e controle de recursos de "infotainment" via iPad.
A Kombi da Volkswagen, como nenhum outro veículo, representa o espírito de liberdade. Ela estreou há mais de 60 anos, em 1950, um design extremamente eficiente. Agora, a Volkswagen está reinterpretando a forma original compacta dessa lenda automotiva e remetendo-a ao futuro na forma de um veículo conceitual para um Bulli da nova geração. Ele é espaçoso e tão inspirador como sempre foi, com linhas enxutas como nunca antes.
Emissão zero até 300 km com uma carga da bateria
Graças às tecnologias de acionamento altamente avançadas, o e-Bulli é denominado como um 'veículo de emissão zero', pois é movido por eletricidade. O motor elétrico do e-Bulli produz 85 kW de potência e 27,5 kgfm de torque. Como costuma ocorrer com esse tipo de mecanismo de transmissão, as suas forças máximas são geradas desde o estado imóvel. O motor silencioso é alimentado com energia de uma bateria de íon de lítio com capacidade máxima de armazenagem de 40 kWh. Essa eletrizante combinação possibilita uma autonomia de até 300 km valor alto para um carro elétrico. Quando a bateria do e-Bulli é carregada em uma "estação de reabastecimento elétrico" especialmente projetada para veículos elétricos, o processo de carregamento leva menos de uma hora.
O e-Bulli acelera de 0 a 100 km/h em 11,5 segundos, e a sua velocidade máxima é de 140 km/h (limitada eletronicamente). A sua autonomia e desempenho em movimento não apenas tornam o veículo ideal para curtas distâncias mas também ideal para a maioria das atividades recreativas e de transporte urbano com emissão zero no escapamento.

O conceito também pode incorporar os motores de injeção direta a gasolina e a diesel  extremamente eficientes como mecanismos de acionamento alternativos. Motores com 1,0 ou 1,4 litro de deslocamento são eficientes no uso de combustíveis. Ideal para qualquer pessoa que deseje percorrer grandes distâncias com o mínimo de consumo de combustível.
Fonte - http://www.ciclovivo.com.br

Rio+20

Antonio Patriota na Rio+20


Isabel Gnaccarini, do Mercado Ético

Disputado por jornalistas, o ministro Antonio Patriota visita o espaço Humanidade 2012 / Foto: Isabel Gnaccarini

Antonio Patriota, atual ministro das Relações Exteriores, visitou na quinta-feira (14/06) o Humanidades 2012, no Forte de Copacabana. Ele esteve na companhia do presidente do Sistema FIRJAN, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, e do presidente da FIESP, Paulo Skaf.
Durante aproximadamente uma hora, o ministro circulou pelas salas da exposição e conversou com os estudantes que também compareceram ao evento. “O que me dá mais alegria é ver a quantidade de jovens que estão aqui. O legado do evento será muito maior do que imaginávamos: ele se mostra um sucesso e o Humanidade 2012 já pode ser considerado um marco histórico”.
Perguntado sobre a Rio+20 ser um momento para receber financiamentos para o desenvolvimento sustentável, Patriota respondeu que “não devemos acreditar que o dinheiro seja o mais importante como resultado da Rio+20. A sustentabilidade depende de muitas coisas, incluindo educação, justiça social e ambiental.” O diplomata vê a integração entre empresas, sociedade civil e público do evento como algo maior na conferência.
Fonte - (Mercado Ético)

Rio+20 - Cacique Raoni discursa em defesa dos índios

CicloVivo
A Cúpula dos Povos, evento da sociedade civil, que acontece paralelo à Rio+20 contou com a presença do cacique caiapó Raoni. Em seu discurso o líder indígena falou sobre a importância da união dos povos e da preservação ambiental.
Em seu discurso o líder indígena falou sobre a importância da união dos povos e da preservação ambiental. | Foto: Elza Fiúza/ABr
A fala do cacique foi incisiva de que os índios precisam exigir que os brancos respeitem suas terras e seus costumes. Ele ainda disse que enquanto estiver vivo lutará por este ideal.
“Eu sou contra o desmatamento, a barragem, a mineração e a exploração de terras por brancos. Eu vou pedir apoio de outros governos, vou lutar para valer os nossos direitos. O índio tem seu lugar, vamos lutar, vamos defender o que é isso”, declarou Raoni.
Além do cacique caiapó o evento, que acontece no Rio de Janeiro, reúne tribos indígenas de outros países latino-americanos, entre eles: Bolívia, Colômbia e Equador, com o intuito de aumentar o debate entre os índios e permitir que diferentes tribos unam forças.
Indígenas e ambientalistas protestam em Altamira
No mesmo dia, ambientalistas e indígenas se juntaram em Altamira (PA) para protestarem contra a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte. O grupo, que contou com aproximadamente 300 protestantes, concentrou forças em uma das barragens erguidas no rio Xingu.
A ação consistiu em abrir valas na ensecadeira para permitir a passagem do rio. Além disso, foram plantadas novas mudas de açaizeiro e equipamentos agrícolas e cruzes foram fixadas no local, como símbolo do protesto e da insatisfação do povo indígena com a construção de Belo Monte.
Mesmo com o protesto, a empresa responsável pela construção informou que as obras continuaram normalmente. Com informações do Globo Natureza.
Fonte - (CicloVivo)

13.6.12

Astronomia: Detetada ponte de hidrogénio entre duas galáxias vizinhas

Filipa Alves
O “trilho” gasoso foi descoberto em 2004 por astrónomos holandeses mas a sua existência apenas foi confirmada agora e ter-se-á formado como resultado da aproximação das duas galáxias em causa, Andrómeda e Triangulum, algo que terá acontecido há milhões de anos visto que não apresentam indícios de perturbação na atualidade.
Foram recentemente apresentadas num Encontro da American Astronomical Society evidências suportam a teoria surgida em 2004 de que duas galáxias do grupo da Via Láctea, Andrómeda e Triangulum, ter-se-ão encontrado num passado distante.

Esta hipótese foi avançada por astrónomos holandeses após detetarem, usando o Westerborlk Synthesis Radio Telescope, uma “ponte” de hidrogéneo entre as duas galáxias mencionadas.
No entanto, por ser ténue esse rasto não pode ser ter detetado pela maioria readiotelescópios, o que levou a que a sua existência tenha sido colocada em causa, até agora.

Com efeito, as observações realizadas por Jay Lockman, Spencer Wolfe, D. J. Pisano, Stacy McGaigh e Edward Shaya com o Green Bank Telescope (GBT) da National Science Foundation permitiram confirmar que a “ponte” de hidrogéneo é real e corresponde, muito provavelmente, a um vestígío da concentração de estrelas e gás interestelar denominada, em inglês “tidal tail”, que se forma quando duas galáxias passam perto uma da outra, o que origina sucção de gás para o espaço que as separa.
Segundo Spencer Wolfe, da West Virgina University “O encontro terá acontecido há muito tempo, porque nenhuma das galáxias exibe indícios de perturbação na atualidade”.

O uso do GBT permitiu, para além de comprovar a existência da ponte, detetar que dela fazem parte 6 massas de gás mais densas e o facto destas massas apresentarem uma velocidade relativa em relação à Terra semelhante é mais um indicador de que a ponte de hidrogéneo entre a Galáxia Andrómeda e a Galáxia Triangulum é real.

As Galáxias Andrómeda e Triangulum situam-se a 2.6 milhões de anos-luz  e 3 milhões de anos-luz da Terra, respetivamente, e o estudo da ponte de hidrogéneo que as liga, pode contribuir para conhecer a evolução de cada uma.

Fonte: www.nrao.edu

12.6.12

Rio+20: Saiba quais temas serão debatidos na Conferência

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (UNCSD ou, como é mais conhecida, Rio+20) está cada vez mais próxima.

Este que é considerado o maior evento já realizado pelas Nações Unidas discutirá dois temas principais: (1) uma economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza; e (2) o quadro institucional para o desenvolvimento sustentável.

O objetivo da Conferência é assegurar um comprometimento político renovado para o desenvolvimento sustentável, avaliar o progresso feito até o momento e as lacunas que ainda existem na implementação dos resultados dos principais encontros sobre desenvolvimento sustentável, além de abordar os novos desafios emergentes.

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) destaca abaixo, em português, os sete principais subtemas que estarão no centro dos debates. Clique nos ícones abaixo para visualizar um panorama dos últimos 20 anos (primeiro ícone), ler sobre cada tema especificamente ou baixar com apenas um clique todos os temas, em formato PDF.

Fonte:http://www.onu.org.br/rio20/temas/

Click nas imagens:
Rio+20 - Os temas em debate
Água para o mundoSegurança alimentar e agricultura sustentávelCidades sustentáveisDesastres e sociedades resilientesEmpregos e inclusão socialEnergia sustentável para todosOceanosTodos os documentos

12 de junho - Dia contra o Trabalho Infantil


11.6.12

Fortuna - Mitologia

Fortuna era a deusa romana da sorte (boa ou má), da esperança. Corresponde a divindade grega Tique. Era representada com portando uma cornucópia e um timão, que simbolizavam a distribuição de bens e a coordenação da vida dos homens, e geralmente estava cega ou com a vista tapada (como a moderna imagem da justiça), pois distribuía seus desígnios aleatoriamente.

Fortuna era considerada filha de Júpiter. Roma dedicava a ela o dia 11 de Junho, e no dia 24 do mesmo mês realiza um festival em sua homenagem, o Fors Fortuna. Seu culto foi introduzido por Sérvio Túlio, e Fortuna possuía um templo nos tempos de Roma republicana próximo ao Capitólio chamado de templo de Fortuna Virilis.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Crédito da Imagem: jordillar_fotos

Feng Shui - aprenda a usar um bá gua

O bá gua é um instrumento usado para colocar o Feng Shui em prática.

 Ele é uma "bússula" octogonal. Cada lado representa uma subdivisão dos quatro pontos cardeais, que são identificados por uma aspiração da vida. As aspirações representadas no bá gua são educação e espiritualidade, relações e saúde na família, relacionamentos e perspectivas de casamento, criatividade e sorte aos filhos, trabalho, prosperidade e reconhecimentos profissional e amigos. Cada aspiração é simbolizada por um trigrama (triângulo) (veja como é um bá gua).

O bá gua é utilizado sobre a planta da casa onde se quer praticar o Feng Shui. O norte do bá gua deve coincidir com o norte da residência. Cada aspiração fica apontada para um lado/cômodo da casa. Cada lado (ou Kua) do bá gua possui um complemento, que é seu lado oposto. O trabalho, por exemplo, complementa o sucesso, assim como o casamento e relacionamento, complementam a educação e a espiritualidade. A relação entre os Kuas e seus ciclos produtivos e destrutivos se projetam nas plantas, móveis e cores da casa.

Usando o bá gua

1. Coloque o bá gua (veja como é um bá gua) sobre o centro de um rascunho ou planta de sua casa. O norte geográfico da casa deve coincidir com o norte do bá gua.

2. Cada cômodo da casa deverá representar uma aspiração que está no bá gua.

3. Depois de identificados os lados correspondentes a cada lugar da casa, observe quais as características que o cômodo deve apresentar para a aspirações da vida funcionarem positivamente.

4. Caso a aspiração que você queira ativar coincidir com o banheiro, deixe de usá-lo, pois é mau sinal. A cozinha também diminui a potencialidade da aspiração desejada.

5. Se a sua casa não tiver formato quadrado, ou seja, se estiver faltando algum ângulo para conferir com o bá gua, pode-se colocar um espelho no local mais próximo e construir o ângulo. Pode-se também ampliar a casa.

6. Se sua casa tiver mais que um andar, é preciso que se siga os passos acima em cada andar.



Fonte:Terra

Biodiversidade: Nova espécie de rã descoberta na Índia

Filipa Alves

A Leptobrachium bompu tem 47 mm de comprimento, uma pele rugosa castanha com listas negras e apresenta os olhos cinzento-azulados. Foi descoberta nas proximidades de uma linha de água debaixo do manto de folhas mortas no Santuário de Vida Selvagem de Eaglenest, situado numa região que permanece pouco estudada e que portanto deverá albergar mais espécies novas para a Ciência.
Apesar da ampla destruição de habitats naturais e, em particular, de zonas de floresta um pouco por todo o mundo, há áreas que têm, de alguma forma, escapado à atenção das indústrias madeireiras e que constituem oásis de Vida cheios de surpresas.

Assim o comprova a descoberta na Índia, de uma nova espécie de rã. O anfíbio de 47 mm de comprimento, pele rugosa castanha com listas negras e olhos cinzento-azulados com íris alongada vertical foi recentemente descrito por Sanjay Sondhi, pertencente ao Titli Trust e por Annemarie Ohler do Muséum National d’Histoire Naturelle de Paris.

A espécie, que foi denominada Leptobrachium bompu, foi descoberta no Santuário de Vida Selvagem de Eaglenest debaixo do manto de folhas mortas nas proximidades de uma ribeira,  no Estado indiano de Arunachal Pradesh, que é o segundo a nível nacional no que toca à área de floresta.

Com uma cobertura florestal de mais de 80%, uma topografia acidentada, esta zona situa-se na fronteira das ecozonas Paleártica e IndoMalaia e das subregiões Indiana e Indobirmanesa.
Sendo uma área pouco estudada, é muito provável a descoberta da pequena rã seja apenas uma de muitas. Com efeito, já a descoberta recente de uma espécie de ave, a primeira no espaço de 50 anos, aconteceu aqui há alguns anos.

A L. bompu pertence a um género que inclui, até à data 27 espécies, que se distinguem sobretudo pela diferente cor dos olhos, que variam entre o amarelo, vermelho, azul ou verde água e frequentemente, não são homogéneos, com diferente tonalidades nos 2/3 superiores e no terço inferior.

9.6.12

Parada LGBT 2012 - Homofobia Tem Cura: Educação e Criminalização

A 16º edição da   acontece no próximo dia 10 de junho, conhecida como , com o tema: “Homofobia tem cura: Educação e Criminalização! – Preconceito e exclusão fora de cogitação”, na Avenida Paulista, a partir do 12h.


O tema deste ano manifesta a necessidade de inserir as questões de diversidade sexual na educação como forma de combater o preconceito sofrido pelo segmento LGBT. Também faz alusão a necessidade de aprovação do projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/06 – há seis anos em tramitação no Senado – que objetiva a criminalização da homofobia, assim como já está previsto para o racismo e outros crimes de discriminação. A Secretaria de Participação e Parceria (SMPP), através da Coordenadoria de Diversidade Sexual (CADS) disponibilizam toda a infraestrutura para garantir a segurança dos participantes da Parada.

A realização da Parada tem por objetivo trazer visibilidade ao segmento LGBT, além de sensibilizar a sociedade sobre temas que envolvem os Direitos Humanos e reconhecimento da cidadania da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

A Parada é um dos maiores realizados dentro da cidade de . De acordo com dados da Turismo (SPTuris). Durante o final de semana de sua realização, mais de 600 mil turistas visitam e deixam mais de 200 milhões em receita para a cidade.

Visando uma maior segurança dos participantes e turistas durante o evento neste ano, a Polícia Militar do Estado de São Paulo, Polícia Civil do Estado de São Paulo e a Guarda Civil Metropolitana estarão utilizando o Sistema de monitoramento de ruas, avenidas, corredores urbanos para garantir o bem estar e proteção dos participantes durante todo o trajeto da Parada.

A Secretaria de Participação e Parceria (SMPP), por meio da Coordenadoria dos Assuntos da Diversidade Sexual (CADS), disponibilizará a infraestrutura para a realização da Parada. Neste ano estão previstos a instalação de quatro hospitais de campanha totalizando 160 leitos (um no Parque do Trianon (40 leitos), um na Av. Consolação com a Av. Paulista (15 leitos), um no recuo do Cemitério da Consolação (60 leitos) e um na Rua Maria Antonia (45 leitos); 25 ambulâncias de remoção e 15 ambulâncias UTI; instalação de duas áreas de serviço de segurança para Polícia Militar, Policia Civil e Guarda Civil Metropolitana; um Telecentro com 20 computadores, conexão com internet e equipe técnica para auxiliar no apoio ao preenchimento de boletins de ocorrência; 250 seguranças particulares.

O monitoramento por câmeras será estendido também nos locais onde o público se dirige depois da finalização da Parada, como a Praça da Republica, Viera de Carvalho, Largo do Arouche, entre outros, garantindo uma maior segurança aos seus frequentadores.

Os vídeos monitoramento serão realizados em todo o perímetro que cerca a Parada, começando pela região dos Jardins, Avenida Paulista, passando pelos bairros de Vila Mariana, Paraíso, até chegar à região central da cidade.

O objetivo principal dessa ação é aperfeiçoar cada vez mais a estratégia de segurança da Parada, que já vem sendo avaliada de forma positiva pelo público, conforme pesquisa realizada pela SPTuris durante a Parada de 2011, 34% avaliaram como ótima a sensação de segurança e 30,5% como boa, indicando uma melhoria ano a ano.

Programação da Parada LGBT 2012:

Cotidiano
Exposição de fotos sobre diversidade sexual
Quando: 04 a 11 de junho
Horário: 2a a 6ª das 11h às 19h. Sábados das 11h às 16h
Local: Galeria Fibra – Rua Tupi, 792 B


Diversidade Sexual e Cultural 
Peças teatrais e debates sobre Diversidade Sexual 
Quando: 06 a 09 de junho
Local: Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1.000

Sessão Solene em Homenagem ao Dia Internacional do Orgulho
Quando: 06 de Junho
Horário: 19h
Local: Câmara Municipal de São Paulo – Viaduto Jacareí, 100

Colorindo a Paulista
Várias atividades culturais e educativas na Av. Paulista 
Ex: Sarau literatura Lésbica na Casa das Rosas, Projeto Esquadrão das Drags, Juventude pinta a Diversidade

Quando: 07 de junho
Horário: 16h às 20h
Local: Casas das Rosas – Av. Paulista, 37
12ª Feira Cultural LGBT
Quando: 07 de junho
Horário: das 10h às 22h
Local: Vale do Anhangabaú
12º Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade
Quando: 08 de junho
Horário: 18h
Local: Academia Paulista de Letras – Largo do Arouche, 312/324
Caminhada Lésbica
Quando: 09 de junho
Horário: concentração às 12h, saída às 14h
Local: Saída da praça Oswaldo Cruz – Paraíso
16ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo
Quando: 10 de junho
Horário: Concentração a partir das 10h em frente ao Masp, início 12h
Local: Avenida PaulistaData 10/06/2012
Endereço Av. Paulista
Cidade SÃO PAULO
Fonte:http://www.vistolivre.xpg.com.br/eventos/2012/06/programacao-da-parada-gay-2012-em-sao-paulo-esta-definida.html

8.6.12

Dia Mundial dos Oceanos

Dia Mundial dos Oceanos marca 30 anos da Convenção sobre a Lei do Mar


Leda Letra, da ONU Brasil

As Nações Unidas comemoram nesta sexta-feira o Dia Mundial dos Oceanos. A data marca os 30 anos da Convenção da ONU sobre a Lei do Mar.

Em mensagem, o Secretário-Geral lembrou que quando foi adotado, em 1982, o acordo “fez história” e “é um monumento vivo da cooperação internacional.”

Ameaças
Ban Ki-moon destacou ainda que a proteção dos oceanos e das áreas costeiras está entre as metas da Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20.

Em entrevista à Rádio ONU, de São Paulo, o especialista em economia socioambiental e professor da USP, José Eli da Veiga, falou sobre algumas ameaças aos oceanos.

“Não é só o aspecto muito falado da pesca, que não se sabe por quanto tempo vai ter peixe ainda. Mas mesmo o estrago que está havendo nos oceanos por causa do excesso de nitrogênio, que é usado na agricultura e que corre para os cursos d´água, vai parar nos oceanos e cria zonas mortas.”

Iniciativas e Proteção
Ainda em sua mensagem, o Secretário-Geral Ban Ki-moon lembrou que os oceanos estão “ameaçados pela poluição, pelo esgotamento de recursos da pesca, impactos da mudança climática e deterioração do ambiente marinho.

Segundo Ban, a Rio+20 deve mobilizar a comunidade internacional a melhorar o manejo e conservação dos mares.

Ele indicou que a ONU, governos e parceiros devem promover iniciativas que reduzam a poluição, inibam a sobrepesca e melhorem a proteção dos oceanos.

(ONU Brasil)
Fonte:http://mercadoetico.terra.com.br/arquivo/dia-mundial-dos-oceanos-marca-30-anos-da-convencao-sobre-a-lei-do-mar/

7.6.12

Rio+20

Com 154 eventos cadastrados, Roteiro Cultural Museus Rio+20 já está disponível
  Reconhecendo a importância da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável – Rio+20, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) convidou os museus e entidades culturais do estado do Rio de Janeiro (RJ) a proporem programações relacionadas ao tema ambiental.
O resultado é o Roteiro Cultural de Museus – Rio+20, disponível em formato digital a partir de hoje na página do Ibram, cuja versão impressa será entregue durante a conferência – realizada entre os dias 13 e 22 de junho em vários pontos da cidade do Rio de Janeiro. Saiba mais.
O roteiro inclui programação com 154 eventos em 55 instituições culturais, localizadas em 13 cidades do estado do RJ. Grande parte das atividades têm a sustentabilidade como tema.
Texto: Ascom/Ibram
Fonte:http://www.museus.gov.br

Ipê Branco-São Pedro da Aldeia-RJ

Obrigado pela homenagem:http://maluqueira-geral.blogspot.com.br/search?updated-max=2012-04-25T03:18:00-03:00&max-results=8&reverse-paginate=true

Despertador que se parece com bomba é alternativa para quem não consegue acordar



Evidências surpreendentes sugerem que os egípcios antigos compreendiam os mecanismos internos de um sistema estelar binário, girando em uma distância de 93 anos luz da Terra, há 3.200 anos.

Em uma corrida contra o tempo digna dos filmes de James Bond, esta bomba certamente fará qualquer pessoa pular da cama. 

O “Alarm Clock Defusable” é projetado para que a vítima tenha apenas alguns segundos para puxar o fio correto antes que o gatilho automático faça o alarme “explodir”. 

As funções de cada fio mudam aleatoriamente todas as manhãs para que os usuários não consigam decorar os dois cabos. Na quarta tentativa, o erro desencadeia uma série de luzes LEDs que piscam. 

O designer Michael Krumpus, 41, fez o relógio inspirado nos recursos utilizados nas bombas dos filmes de Hollywood. Ele diz: “Eu pensei que seria divertido construir um despertador que se parecesse com aquele tipo de bomba que sempre vemos em filmes de Hollywood. Eu certamente não sei nada sobre como uma verdadeira bomba pode funcionar, mas nos filmes eles sempre têm bananas de dinamite amarradas em conjunto, um leitor digital vermelho e um monte de fios encaracolados”, conta.

Em vez de apenas construir um relógio comum, ele pensou numa sequência de detonação com uma contagem regressiva.

O relógio é tão realista que Michael teve de colocar uma mensagem em seu site dizendo que aquilo não era uma bomba de verdade. 

Ele escreveu: “Caro agentes federais e policiais, isto é apenas um relógio. Não é mais perigoso do que qualquer outro relógio. Eu não sei nada sobre explosivos além do que vi em filmes. Então, se você está no FBI, Departamento de Segurança Interna, CIA, ATF, Departamento de Defesa Nacional Contra Terrorismo ou Interpol, por favor, saiba que estou do seu lado!” 

Ele também adverte os clientes para não utilizar os seus relógios fora de casa para não gerar um alerta de bomba.

Em seu site, ele diz: “Caro brincalhão, eu sei que você está animado para assustar seus amigos e colegas de trabalho com uma bomba falsa, mas use a cabeça. Este tipo de dispositivo pode levar as pessoas a chamarem as autoridades. Portanto, não leve isso para a escola, o trabalho e, certamente, a qualquer lugar perto de um aeroporto”. 

O relógio, que custa 27 libras, está disponível para compra na internet. Também é possível comprar as peças no site para montá-lo em casa. Michael, de Minnesota, Estados Unidos, diz: “Ao usar a sua imaginação, você pode construir um relógio que se parece com um dispositivo perigoso. Por exemplo, dinamites falsas podem ser feitas com papel de embrulho marrom em torno de buchas de madeira”.



Fonte:http://jornalciencia.com

4.6.12

Astronomia: Vénus passará à frente do sol durante a noite de terça-feira e a madrugada de quarta-feira


Filipa Alves
O fenómeno, conhecido como Trânsito de Vénus, aconteceu pela última vez em 2004 e só voltará a ocorrer em 2117. Poderá ser apreciado na totalidade na zona centro do Pacífico e embora possa ser visto em 7 continentes, nalgumas zonas do globo, que incluem Portugal, não será visível. No entanto, poderá ser acompanhado on-line, através das imagens captadas nas ilhas Svalbard (Ártico), por uma equipa de astrónomos da Universidade de Barcelona.
Vai ter lugar amanhã o último Trânsito de Vénus do séc. XXI. Trata-se de um fenómeno pouco frequente – o último aconteceu em 2004 e o próximo ocorrerá apenas em 2117 – em que o planeta Vénus se atravessa à frente do sol sendo visível como um pequeno ponto negro sobre o fundo do disco solar. 

Para além da beleza do fenómeno – segundo Dean Pensell, da NASA “[As imagens] não têm tanto impacto como um eclipse, mas se não houver nuvens no espaço as pessoas vão ficar encantadas com a beleza do evento” – o trânsito de Vénus é um acontecimento com importância história para os Astrónomos.

Com efeito, os trânsitos de Vénus ganharam notoriedade no séc. XVIII quando o astrónomo Edmund Halley compreendeu que a observação do fenómeno em diferentes partes do mundo permitiria, através de triangulação, calcular a distância até Vénus, que tornaria possível depois calcular o tamanho do sistema solar, um grande mistério na altura.

Esse objetivo mobilizou esforços a nível global, naquele que viria a ser conhecido pelos historiadores como o “programa Apolo do séc. XVIII” mas o objetivo de determinar o tamanho do sistema solar apenas se viria a concretizar no século seguinte já depois da invenção da fotografia.

O Trânsito de Vénus que terá lugar amanhã durará 7 horas, com início às 22:09 (UT), e poderá ser visto em 7 continentes, podendo ser apreciado na sua totalidade na zona centro do Pacífico. Apesar de não poder ser visualizado em Portugal, como acontece na África Ocidental, vai ser possível assistir ao evento através de imagens captadas por uma equipa da Universidade de Barcelona, que filmará o fenómeno desde as ilhas Svalbard (Ártico) e transmitirá on-line na página Serviastro, em que foi criado um separador informativo sobre o tema.
Veja imagem em tamanho real aqui
Assista ao Trânsito de Vénus 2012 visto desde as ilhas Svalbard aqui   

1.6.12

O rap prevenindo o HIV


Campanha inovadora e pioneira rende ao rapper de Fortaleza – CE uma premiação internacional por investir na prevenção ao HIV por meio da música

O jovem rapper de Fortaleza – CE, Felipe Rima recebeu, o Prêmio Soluções Posithivas, que reconheceu os melhores do desafio no Brasil, chamado de Juventude HIV/AIDS – Assuma a Liderança !

Aos 24 anos, o músico que lançou o primeiro trabalho em 2011, representou, na capital de São Paulo, a equipe “Batuque do Coração”, que concorreu com mais de 300 projetos inscritos.

O projeto venceu a premiação por ser pioneiro no país e também na América Latina. O rapper anexou um preservativo personalizado em cada exemplar do disco “Entre o Batuque do Coração e a Poesia da Vitória” e fez a poesia ecoar, contribuindo de forma significativa para uma campanha de prevenção ao HIV.

A festividade de premiação aconteceu em São Paulo durante o Mac Action Day, que reconheceu os melhores do Prêmio Soluções Posithivas, além de promover a integração entre os participantes de todo país. “Seguimos musicando o sentimento e poetizando a vida”

Assista ao vídeo do Prêmio Soluções Posithivas:

A música e a campanha social Parte do trabalho que vem sendo desenvolvido por Felipe Rima, no Dia Mundial de Combate ao HIV/Aids, foi lançado, pela MTV, o documentário “Viralistas” e que traz, na trilha sonora, a canção “Batuque do Coração”, um dos hits do disco de Felipe Rima. Junto a Organização Internacional Ashoka e o Programa Geração Muda Mundo, o qual Felipe Rima faz parte a mais de quatro anos, o rapper realizou também o lançamento do álbum em Buenos Aires, na Argentina e já percorreu diversas cidades brasileiras com a música e a poesia. Cada Exemplar do CD traz um preservativo, como forma de lutar, diretamente, pelo combate ao HIV e dialogar, abertamente, com os jovens. Com mais de 1.300 cópias vendidas de mão em mão no período de seis meses, o poeta recentemente visitou o Festival Literário de Poços de Caldas (Flipoços) e saraus como a Cooperifa e Suburbano Convicto, na capital paulista, por onde propagou o trabalho.

Assista ao documentário “Viralistas” da MTV com música de Felipe Rima na trilha sonora http://youtu.be/-gnX4W9REfw

Ouça o disco “Entre o Batuque do Coração e a Poesia da Vitória”
Fonte:http://www.inclusive.org.br

Nº 22.433 - "Definitivamente, Temer, não!, por Luís Nassif"

   em ContrapontoPIG    *.* *07/10/2017* *Definitivamente, Temer, não!, por Luís Nassif* *O Jornal de todos Brasis* Do Jornal GGN - ...