27.9.12

Nuvens, quando o invisível se revela



Alexandre Vaz
 
 
 
Quando a humidade atmosférica se revela criam-se as nuvens, de suprema importância para a vida na Terra. Qualquer que seja a perspectiva com que as encaremos, uma visita ao mundo das nuvens é, quase por definição, apaixonante.

Nem mesmo nos desertos mais áridos, o ar é desprovido de humidade. Quando esta se torna visível, chamamos-lhe nuvem. As nuvens são simultaneamente causa e efeito de uma série de fenómenos atmosféricos e nessa medida, têm um forte impacto nas nossas vidas. Elas dizem-nos que roupa devemos vestir, se devemos usar óculos de sol e mesmo se devemos ficar em casa ou ir à rua.
A humidade existente no ar provém em cerca de 90% da evaporação dos oceanos. Sempre que uma massa de ar carregada de humidade arrefece, a água até ali no estado gasoso condensa em minúsculas gutículas ou cristais de gelo e torna-se visível.

Os fenómenos que estão na origem do aparecimento de nuvens são de origem diversa e podem actuar separadamente ou em conjunto, dando origem a nuvens muito diferentes umas das outras. De uma forma geral, a temperatura do ar vai diminuindo à medida que a altitude vai aumentando. Daí que sempre que uma massa de ar é, por qualquer motivo, impelida para cima, entra em contacto com um meio mais frio, levando a que a água em si contida se condense e forme nuvens. Existem várias razões para que o ar se desloque verticalmente. A convecção, resulta do aparecimento de correntes ascendentes, provocadas pelo aquecimento da superfície da Terra, que impelem o ar para cima e que podem originar nuvens. As nuvens frontais formam-se sempre que uma massa de ar quente se encontra com uma massa de ar frio: a primeira é empurrada no sentido ascendente e condensa, formando nuvens densas e até tempestades. Existem ainda, as nuvens orográficas, que como o nome indica estão intimamente ligadas ao relevo. Quando o vento, que não é mais do que ar em movimento, encontra no seu caminho montanhas, segue o declive ascendente até eventualmente atingir o ponto de condensação.

25.9.12

Paraty-RJ

Paraty: história e beleza no litoral sul do Rio

Paraty: história e beleza no litoral sul do Rio



Uma cidade quase toda tombada como Patrimônio Histórico Nacional há mais de 10 anos, desde 1999. Essa é Paraty, que fica a aproximadamente 400 quilômetros de Santos e reúne no litoral sul do Rio de Janeiro construções do século XVIII além de belas ilhas e praias. 

Continua:http://www.jornaldaorla.com.br/materia-integra.asp?noticia=8224

24.9.12

Primavera dos Museus traz eventos em todo Brasil em setembro

primavera.acontecendo
  Já está disponível o guia de programação da 6ª Primavera dos Museus, que acontece entre os dias 24 e 30 de setembro. Mais de 800 museus e outras instituições culturais têm participação confirmada na temporada, que este ano traz como tema A Função Social dos Museus. Veja aqui.

Com mais de 2.400 eventos em 364 municípios, a programação atinge todos os estados e o Distrito Federal. Pela primeira vez, também participará da iniciativa uma instituição de outro país: o Museo Etnolóxico, de Ribadavia (província de Ourense), na Espanha.

Outra novidade na edição 2012 é a parceria firmada pelo Ibram com o MetrôRio, que garante desconto e entrada gratuita em dez museus da cidade para usuários, e um acompanhante, com cartão pré-pago válido, assim como para funcionários da empresa.

Do dia 1º a 23 de setembro, os descontos serão de 50%, e do dia 24 a 30 de setembro, semana da Primavera dos Museus, a entrada é gratuita. O MetrôRio também vai indicar a visitação de 13 museus gratuitos próximos a estações. Saiba mais sobre a Primavera dos Museus.
Texto: Ascom/Ibram
Fonte:http://www.museus.gov.br

Ecoturismo em Portugal: um exemplo da economia verde em franca expansão







Sendo certo que o Turismo é uma das principais mais-valias da Economia Portuguesa, também parece que a sua mais recente especialização, o Ecoturismo, será com certeza um dos seus próximos trunfos. Esse é o prognóstico do Instituto do Turismo no seu relatório público sobre Turismo de Natureza.

O sector do ecoturismo vem crescendo a taxas anuais superiores a 7% desde meados da década de 1990 — um ritmo de crescimento superior à generalidade das actividades económicas. Especializa-se na oferta de experiências de lazer desportivo e cultural em espaços naturais, gerindo as actividades turísticas conforme preceitos de sustentabilidade social, ambiental. Segundo a Organização Mundial de Turismo, um organismo inter-governamental pertencente às Nações Unidas, todos os anos mais de 60 mil milhões de euros de serviços ecoturísticos são adquiridos no mercado global. Somente na Europa se adquirem, a cada doze meses, mais de 22 milhões de viagens internacionais com o intuito de realizar Turismo de Natureza, ou seja Ecoturismo praticado em Áreas Naturais Protegidas. Na medida em que os destinos turísticos clássicos em espaços urbanos tendem para a sobrelotação, e que a opinião pública se torna cada vez mais atraída pelos valores ambientais, espera-se que o sector do Ecoturismo continue a crescer pelo menos até 2020, ano em que facturará mais de 25% das receitas do sector turístico em geral.
Continua:http://naturlink.sapo.pt/Noticias/Noticias/content/Ecoturismo-em-Portugal-um-exemplo-da-economia-verde-em-franca-expansao?bl=1

Exposição traz pela primeira vez ao Brasil obras de arte sacra do Vaticano



Camila Maciel
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Transporte-se para o universo da arte cristã, percorrendo quase 2 mil anos de história. Esta é a proposta da exposição Esplendores do Vaticano: Uma Jornada Através da Fé e da Arte que estreia neste fim de semana na capital paulista. A Oca do Parque Ibirapuera recebe, até o dia 23 de dezembro, mais de 200 peças de arte sacra e objetos históricos, muitos dos quais nunca deixaram o Vaticano. Para a curadoria, mais do que contar a história da fé
católica, a mostra evidencia as influências da obra cristã na arte ocidental.

O monsenhor Roberto Zagnoli, curador da exposição, ressalta que a exposição permite um diálogo entre povos e culturas. “A arte é o melhor instrumento para essa troca. Não é só uma exposição de arte cristã, mas, sim, uma exposição que tenta trazer de novo a mensagem cristã, que é de comunhão”, declarou. Ele destaca que muitos dos objetos trazidos pelo projeto nunca sequer foram expostos na Europa. “Mesmo quem visita o Museu do Vaticano, não acessa todas as peças que trouxemos para cá”.

O padre Juarez de Castro, representante da Arquidiocese de São Paulo, visitou a mostra e destacou a oportunidade que os brasileiros terão de conhecer obras inéditas do Vaticano. “O que existe de arte ocidental passa pela igreja, mas essa arte ultrapassa uma confissão religiosa. Ao entrar em contato com essa exposição, entramos em contato não só com a história da igreja, mas com história da humanidade”, disse.

A exposição é composta por 11 galerias. A primeira delas destaca a origem das expressões da arte cristã, que estavam ligadas aos atos de devoção a São Pedro, como por exemplo as velas votivas. Nessa área, o visitante pode ver também uma representação de como o túmulo do santo foi encontrado em 160 depois de Cristo (d.C.), inclusive com um fragmento arquitetônico da parede da sepultura, encontrado em 1941.


Na sala seguinte, explora-se o tema da Idade Média e o período bizantino, quando Roma cresceu como cidade cristã. Um dos destaques da galeria, é um relicário em ouro e prata com ossos que, durante séculos, acreditou-se serem de São Pedro, São Paulo, São José, Sant'Ana, dentre outros santos. A terceira galeria é dedicada ao início Renascimento. Nessa área, destaca-se a obra Deposição no Sepulcro, de Giorgio Vasari.

O pintor Michelangelo, um dos autores das pinturas na Capela Sistina, ganhou uma galeria própria na exposição, na qual está exposta uma reprodução da obra Pietá. Uma das áreas que abordam a trajetória do pintor trazem a reprodução de andaimes utilizados para a pintura da capela, inclusive com reprodução de trechos da obra.
As demais salas da exposição mostram ainda objetos ritualísticos do catolicismo e o papel dos missionários da igreja. Objetos que retratam a trajetória do papado também têm destaque na mostra. O papa João Paulo II ganhou uma sala própria, ela traz um molde em bronze da mão do papa, que poderá ser tocada pelos visitantes.
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br

ONU lança guia com obrigações dos Estados para proteção de direitos LGBT



O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) lançou um relatório com as principais obrigações legais que Estados devem aplicar para a proteção de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT). O documento, intitulado Nascido Livre e Igual (em inglês Born Free And Equal), busca explicar para gestores públicos, ativistas e defensores dos direitos humanos as responsabilidades do Estado com essa minoria e os passos necessários para alcançá-las.

O objetivo de estender para pessoas LGBT as condições de todos os outros não é nem radical e nem complicado. Basea-se em dois princípios fundamentais que sustentam a lei internacional dos direitos humanos: igualdade e não discriminação”, disse a Alta Comissária para os Direitos Humanos, Navi Pillay, no prefácio do relatório.

O documento foca em cinco obrigações nas quais a ação nacional é mais necessária: proteção contra a violência homofóbica, prevenção da tortura, a descriminalização da homossexualidade, a proibição da discriminação e o respeito com a liberdade de expressão e com a reunião de todas as pessoas LGBT.

Por quase duas décadas, os órgãos de direitos humanos e relatores especiais têm documentado violações generalizadas em relação à população LGBT, nas quais estão incluídas atos de assassinatos, estupros e ataques físicos. Nascido Livre e Igual apresenta alguns exemplos dessas violações, como o caso de um casal lésbico que relata ter sido espancado em uma delegacia no Brasil e forçado a praticar sexo oral.

Fonte:http://portal.cenag.com.br

23.9.12

“Em cada batalhão da PM tem um grupo de extermínio”


Policial civil revela como funcionam os novos esquadrões da morte de São Paulo e denuncia as perseguições que sofrem os agentes que se negam a matar e torturar

Por Tatiana Merlino

Primeiro, identificam-se os “bilões” de cada batalhão, que, na gíria da Polícia Militar (PM), são os policiais mais violentos. Depois, eles são chamados para integrar os “caixas-dois”, como são conhecidos os grupos de extermínio de cada batalhão. Para o “trabalho”, geralmente usam viaturas da Rota e da Força Tática – ou Forjas Trágicas, como são apelidadas. O caixa-dois é formado por três integrantes, sendo um deles escoltado até um local seguro, onde tira a farda, coloca uma roupa civil e usa uma moto ou um carro para orientar ou executar os assassinatos. Geralmente, atuam em sua área de circunscrição de trabalho.

Quando o serviço acaba, chega uma viatura, encarregada de recolher as cápsulas e pedir para o pessoal do comércio lavar o local. O importante é adulterar a cena do crime. Em seguida, coloca-se a vítima no carro, e, mesmo que esteja morta, ela é levada ao hospital. Quando necessário, usam o “kit vela” ou “kit flagrante”: uma porção de entorpecente e uma arma fria colocada na mão do cadáver, para justificar o homicídio. Às vezes, também deixam um celular junto à vítima.

“O caixa-dois funciona quando não dá para fritar na resistência [justificar o assassinato como decorrência de suposto confronto com a PM]”, explica um policial civil, que investigou grupos de extermínio formados por policiais militares. “A maior parte deles participa do negócio, mesmo quem não mata. É até uma questão de subordinação hierárquica ao ao comando.”

Na maioria dos casos de extermínio, seja na capital, litoral ou interior, o modus operandi das ações é praticamente o mesmo. Atiradores em carros de cores escuras, vestindo toucas ninja e roupas pretas, e manejando, na maioria das vezes, armas de calibres 9mm, .380 ou .40.

Punição
A regra do batalhão é: o PM se negou a torturar, a matar? Vai para o PAO: Pelotão de Apoio Operacional, espécie de punição dada pelo comando de alguns batalhões da PM paulista a policiais que se negam a participar de ilegalidades e abusos, como torturas, matanças e grupos de extermínio. O castigo consiste em fazer ronda do lado de fora do batalhão, ficar 12 horas de pé, incomunicável com os outros membros da tropa e sem poder comer, urinar ou evacuar. Os que ousarem se solidarizar com os castigados são punidos da mesma maneira.

O major de um dos batalhões onde o PAO é aplicado intimida sua tropa batendo no peito e gritando: “Eu sou Highlander, vocês me respeitem!”. Highlander é um grupo de extermínio chamado dessa maneira, porque corta as cabeças e mãos das vítimas. O major incentiva a matança de “ladrões” e dispensa do trabalho quem matar mais. Manda para o PAO quem não quiser entrar para o “caixa-dois”.

Essas graves acusações são feitas pelo policial civil, citado anteriormente, e por um sargento da Polícia Militar – ambos não compactuaram com ilegalidades cometidas por membros de suas corporações. O primeiro conversou com a Caros Amigos na condição de sigilo de identidade, sob alegação de estar sendo perseguido e ter sofrido ameaças e duas tentativas de homicídio, após ter apresentado relatórios de investigação sobre grupos de extermínio.

A denúncia sobre o PAO também foi levada ao Conselho de Defesa da Pessoa Humana (Condepe), que vem sendo procurado por policiais civis e militares que não estão de acordo com torturas, assassinatos e desaparecimentos que vêm acontecendo em São Paulo. “Primeiro vieram investigadores da polícia civil, depois da PM – soldado, sargento, tenente e até capitão –, e, por fim, delegados de polícia. Todos deram um quadro que, para nós, é muito grave. São pessoas que ficam na seguinte situação: ‘ou eu entro para a bandidagem ou sou punido’”, relata Ivan Seixas, presidente da instituição. Segundo ele, tais funcionários públicos estão sofrendo ameaças de morte, de punição e processos administrativos e disciplinares. As denúncias que o policial passou à reportagem da Caros Amigos também foram encaminhadas a órgãos públicos fiscalizadores da lei.

21.9.12

Estudantes apostam em skate elétrico para transformar mobilidade urbana



CicloVivo

Utilizar o skate como um meio de transporte diário é uma opção ecológica, no entanto, pode não ser tão prática devido à sua ineficiência nas subidas. Para eliminar este problema e facilitar a vida do usuário, estudantes da Universidade de Standford criaram um skate elétrico, considerado por eles o veículo elétrico mais leve do mundo.

Esta não é a primeira vez que se tem notícia de um skate que utiliza baterias. Porém, o grande diferencial deste modelo norte-americano é que o tamanho, similar aos skates tradicionais. À primeira vista é impossível identificá-lo como um modelo tão alternativo.
De acordo com os criadores, o pequeno veículo, apelidado de Boosted Board, é equipado com dois motores de 2,6 cavalos, que acionam a rotação das rodas traseiras. Esta aplicação permite que o skate alcance velocidade de 32 km/h.
Este também é considerado pelos estudantes o meio de transporte mais prático possível, já que é possível carregá-lo para qualquer lugar, sem muitos transtornos e ocupando espaço mínimo.
O grupo utilizou um sistema de financiamento colaborativo, para arrecadar a verba necessária para as pesquisas e construção do protótipo. A proposta foi tão bem aceita que eles atingiram o triplo da meta estipulada. Hoje, o site do projeto já conta com mais de 700 pessoas na fila de espera para comprarem um dos skates, que custará US$ 1199, aproximadamente R$ 2200.
As especificações técnicas do modelo garantem que as baterias de lítio utilizadas podem ser recarregadas em duas horas, garantindo ao condutor quase dez quilômetros de autonomia. O skate também possui travagem regenerativa, que permite a recarga da bateria enquanto ele está em uso.
Fonte:http://www.ciclovivo.com.br/

7.9.12

Brazil - National Anthem (Guitar) / Hino Nacional do Brasil (Guitarra)


7 de Setembro de 2012

Sob o lema “um Estado a serviço da nação”, Grito dos Excluídos chega à sua 18ª edição

    Organizações e movimentos sociais realizarão uma série de atividades em todo o país nesta sexta-feira (7)


    05/09/2012


    da Redação



    Na próxima sexta-feira (7), acontece a 18ª edição do Grito dos Excluídos, sob o lema “Queremos um Estado a serviço da nação, que garanta direitos a toda população”. Organizações e movimentos sociais realizarão uma série de atividades em todo o país. 

    “O Estado tem o dever de dar à população brasileira o acesso ao sistema de saúde, à educação, terra, trabalho, transporte, moradia e lazer. No entanto, isso acontece de forma precária e, em alguns casos, não ocorre”, denunciam o movimentos sociais.

    De acordo com informações da rede Jubileu Sul, no ano passado, o governo destinou 45,05% (R$708 bilhões) de seu orçamento para o pagamento da dívida pública, enquanto apenas 4,07% (R$63,93 bilhões) foram gastos com saúde, e 0,02% (R$314,2 milhões) com saneamento.

    O Grito dos Excluídos é uma manifestação popular dos trabalhadores do campo e da cidade que acontece tradicionalmente na semana da Pátria. A concentração principal ocorrerá em Aparecida, interior de São Paulo, às 9h20, em frente à Basílica. No entanto, em todo o país devem ser realizadas mobilizações.

    Continua:http://www.brasildefato.com.br/node/10525

    5.9.12

    O Dia da Amazônia é hoje e todos os dias do ano

    O IPAM parabeniza a todos amazônidas e àqueles que se dedicam à preservação da floresta tropical mais rica do mundo.

    Neste  5 de setembro, data em que se comemora o Dia da Amazônia, gostaríamos de agradecer e parabenizar a todos os colaboradores do IPAM e outros profissionais e parceiros que lutam em prol da Amazônia.  Compartilhamos a comemoração desta data, também, com todos os amazônidas que lutam por sua valorização e preservação.

    O IPAM, que há 17 anos trabalha para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, dedicou-se ao longo desses anos a pesquisas cientificas sobre a região, gerando informações e fomentando iniciativas que possam subsidiar políticas públicas, iniciativas inovadoras e acordos nacionais e internacionais em prol da conservação da floresta e o uso sustentável de seus recursos. Estas atividades vêm sendo realizadas em conjunto com produtores rurais, povos indígenas, comunidades tradicionais e as diferentes esferas de governo.

    “Trabalhamos por uma Amazônia socialmente justa e economicamente próspera, com seus ecossistemas preservados e sua população valorizada. O dia de hoje é especial e nos faz relembrar deste compromisso.  O desafio será tornar tal compromisso em uma realidade duradoura. Chegaremos lá com certeza”, diz Paulo Moutinho, diretor executivo do IPAM.
    Continua:http://www.ipam.org.br/noticias/O-Dia-da-Amazonia-e-hoje-e-todos-os-dias-do-ano/2410/destaque

    3.9.12

    Mês da Explofora


    Mês da Explofora
    A Expoflora, maior exposição de flores e plantas ornamentais da América Latina, escolheu o amor como tema de todas as atrações, inclusive das novidades que encantarão ainda mais os visitantes. O evento, que começou esta semana, prossegue até 23 de setembro, de quinta-feira a domingo, das 9h às 19h, em Holambra.

    Tudo no evento lembra o amor: “O amor em flores e cores” tematiza a exposição de arranjos florais; “Um amor de jardim” é o foco dos projetos dos 20 ambientes da mostra de paisagismo e jardinagem e “O amor está no ar” tornará ainda mais emocionante a Chuva de Pétalas, que esse ano passa a ser realizada às 16h30, todos os dias do evento.
    Continua:http://www.jornaldaorla.com.br/materias/10231-mes-da-explofora/

    Charge - Cotidiano - Amigo constrangedor